“SANTA” OSTEOPATIA

author
3 minutes, 33 seconds Read

“Por tanto amor, por tanta emoção, a vida me fez assim! Doce ou atroz, manso ou feroz! Eu, caçador de mim!” (Caçador de Mim – Milton Nascimento)

Como as terapias holísticas estão sempre na busca pela essência integral humana, a música de Milton Nascimento me ajuda a sonorizar esse texto.

Nessa semana falaremos de outra prática terapêutica que apresenta caráter holístico, ou seja, que entende que todos os sistemas do corpo estão interligados e desta forma, qualquer disfunção em um sistema, afeta todos os outros.

Na certeza de que qualquer técnica holística se importa com o ser humano em sua complexidade, tais práticas garantem a individualização do atendimento no processo terapêutico para a cura de doenças e na prevenção da saúde.

Dentre essas práticas se destaca a Osteopatia, com alto potencial curativo, sem o auxílio de fármacos ou cirurgia, crê que o corpo tem total capacidade de realizar a auto-cura, desde que todas as suas estruturas estejam equilibradas.

A Osteopatia foi criada por um médico americano chamado Andrew Taylor Still durante a guerra civil americana no final do séc. XIX.

Still entendia que o ser humano deveria ser visto como um todo, apesar de sermos divididos em ossos, músculos, glândulas, articulações e órgãos internos. A função metabólica e orgânica está relacionada de como essas estruturas funcionam harmonicamente, contribuindo para a saúde efetiva do organismo como um todo.Segundo Still, “se a estrutura está em harmonia, não pode haver doença, ou seja, a estrutura determina a função”. Desta forma, toda a doença se origina de um distúrbio na harmonia da estrutura corporal.

Por exemplo, a harmonia entre a distribuição de nutrientes às células pelo sistema vascular, bem como o equilíbrio entre os componentes mecânicos dos músculos, tendões e estruturas articulares. São funções primordiais para manutenção da saúde física e funcional do corpo humano. Se as artérias não funcionarem corretamente, o sistema venoso será mais lento, o que acumulará toxinas, gerando doenças. Se o sistema musculoesquelético não estiver centralizado, poderão surgir dores articulares, inflamações nos tendões e nos nervos, caracterizando que esse sistema está doente.

A Osteopatia é considerada uma terapêutica não convencional, mas integrativa e complementar, pois considera importante o papel das outras ciências na integralidade da saúde de seus pacientes, como o equilíbrio nutricional, a prática da atividade física e conceitos em saúde emocional e espiritual.

Utiliza várias técnicas terapêuticas manuais, dentre elas a manipulação do sistema musculoesquelético (ossos, músculos e articulações), no alongamento de estruturas miofaciais, na mobilidade de vísceras orgânicas, bem como no alinhamento das estruturas do crânio. Tudo de forma manual.

O campo de tratamento da Osteopatia é muito amplo, podendo tratar as doenças mais frequentes, como as lombalgias, dorsalgias, cervicalgias, hérnias discais e torcicolos. Podem ser tratados também entorses, tendinites, síndromes do túnel cárpico, dores nos ombros, problemas da articulação temporo-mandibular (ATM), mas também disfunções orgânicas, como o refluxo gastro-esofágico, cólicas menstruais, disfunções respiratórias e gastro-intestinais.

No Brasil, para o exercício da Osteopatia, é exigida formação osteopática segundo modelos sistematizados pela OMS (Organização Mundial de Saúde), para profissionais com diploma de graduação em Medicina e Fisioterapia.

Em 2001, através da RESOLUÇÃO No. 220, o Conselho Federal de Fisioterapia reconheceu a Osteopatia como especialidade do profissional Fisioterapeuta, recebendo o título de especialistas em Osteopatia e classificados na CBO (Classificação Brasileira de Ocupações) como Fisioterapeutas Osteopatas. 

As práticas holísticas, de cunho físico-funcional, como a Osteopatia, ou energético, como a Acupuntura, propõe o tratamento das doenças no reconhecimento dos principais fatores causas e cuidados a serem tomados para a prevenção das mesmas. Um corpo em harmonia estrutural, orgânica, psico-afetiva e espiritual, tende a ser um corpo saudável e com melhor potencial em sua qualidade de vida!

Similar Posts

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

%d bloggers like this: