Santa Casa comemora Mês do Voluntariado

Grupo de Humanização promoveu encontro com os voluntários do Hospital, que fazem a diferença na assistência

Empatia, prazer de ajudar o outro, acolhimento. Carinho, apoio, atenção. Na Santa Casa de Votuporanga, os voluntários estão em diferentes áreas, transformando toda a assistência hospitalar e melhorando o bem-estar dos pacientes de 53 cidades da região. Todo dia é dia de se fazer o bem, de se doar.

Mas, em agosto, a atuação destes “anjos da guarda” foi ainda mais evidenciada. O Grupo de Trabalho de Humanização (GTH) irá comemorar o Mês do Voluntariado, com ações específicas para valorizar quem contribui para a melhor adaptação dos pacientes e acompanhantes na Instituição.

Na última quarta-feira (1/8), foi realizado encontro com os voluntários no auditório do Espaço Unifev/Saúde. O coordenador do GTH, Adriano Flávio Marques, deu as boas-vindas.  “Este mês é dedicado a vocês. Nosso objetivo é incentivar cada atitude de solidariedade, de ética, respeito às diferenças e amor ao próximo que vocês têm com nossos assistidos. Teremos programação específica com curso de visitas religiosas, culminando no culto ecumênico no Dia Nacional de Voluntários no dia 28, às 9h30”, disse.

O voluntariado faz a diferença no cotidiano da Instituição. Por meio de ações eficazes, se envolvem de corpo e alma em prol dos pacientes, colaboradores e de toda a comunidade. Quer seja ao auxiliar os funcionários, no apoio à captação de recursos e nos eventos internos e externos. “Temos subgrupos em diversas frentes como Bazar do Bem, Fraldário, Brinquedoteca, projetos que são realizados graças ao voluntariado e que beneficiam nossos pacientes. Além disso, temos voluntários que são responsáveis pelo acolhimento e visitas religiosas, fundamentais para recepção e bem-estar dos assistidos. Recentemente, o grupo Cúmplices, que fazia ações pontuais em datas como Páscoa e Natal, passou a percorrer os leitos todo mês levando conforto e muitos sorrisos. Contamos também com a Associação dos Pacientes Renais de Votuporanga – Aprevo que tanto faz por nossos assistidos em tratamento dialítico, nos auxiliando na humanização”, complementou.

O provedor da Santa Casa, Luiz Fernando Góes Liévana, agradeceu cada um pela dedicação. “A história de nossa Instituição é traçada por voluntários.Desde o início, pessoas abnegadas não mediram esforços para construir um Hospital de qualidade. Elas exerceram e ainda atuam em cargos em conselho, diretoria, em diversos setores, visando sempre o crescimento da Santa Casa, que hoje é referência para 53 cidades da região. Nosso voluntariado transmite carinho e atenção aos pacientes durante os tratamentos de crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos, contribuindo com o crescimento e cumprimento da nossa missão”, afirmou.

Missão encarada com todo amor por Arlete Mendes que, além de doula, colabora no Bazar do Bem. “O mundo é uma casa de portas abertas que pertence a Deus, nós escolhemos o caminho. Vamos fazer o bem sempre”, disse.

Norma Gregório Russo atua no Bazar do Bem há anos. Ela expressou todo amor pelo trabalho. “Quero agradecer a oportunidade de oferecer carinho, novas amizades, de ter esta troca de energia. É maravilhoso ser voluntária”, afirmou.

Na equipe do acolhimento, Alvimar Martins Marques contou um caso de paciente, que foi transformado com ação dos voluntários. “Eu gostaria de testemunhar sobre um paciente que sofreu um acidente. Um equipamento de 500 quilos caiu em seu braço, ele quase perdeu o membro. O paciente recebeu a visita de um voluntário da Humanização, que deu atenção especial, amor e fez com que o doente tivesse sopro de vida, esperança. Vocês não imaginam o valor que tem. Que Deus abençoe este trabalho”, destacou.

Marisa Reinoldes Andrade, do Grupo Cúmplices, falou de sua satisfação. “Zelamos por quem não tem condições. Esta ação nos faz melhor e crescer enquanto pessoa. Nos encontramos com pacientes ansiosos por um sorriso, abraço e aperto de mão. Que continuemos florescendo”, ressaltou.

Luis Carlos Curti, da equipe de visita religiosa, contou do relacionamento com os assistidos. “Um menino de oito anos me reconheceu na rua e comentou de mim para sua mãe. Plantamos amor no coração deles”, afirmou.

Na região

Engana-se quem pensa que os voluntários são apenas de Votuporanga. A região é tomada por uma corrente do bem, de pessoas que se unem para ajudar o Hospital. Eles organizam arrastões de alimentos, leilões de gado, queima do alho, festas com 100% da renda para a Santa Casa. “São  apaixonados por nossa causa. Estão presentes no dia a dia, sejam promovendo ações como também participando ativamente de projetos como Nota Fiscal Paulista e também nos cofrinhos. Nos faltam palavras neste trabalho incrível, que só visa auxiliar o próximo”, finalizou o provedor.

Similar Posts

%d bloggers like this: