Relacionamento e qualidade de vida do idoso

author
2 minutes, 48 seconds Read

Relacionamento interpessoal é um conceito do âmbito da sociologia e psicologia que significa uma relação entre duas ou mais pessoas. Este tipo de relacionamento é marcado pelo contexto onde ele está inserido, podendo ser um contexto familiarescolartrabalho ou de comunidade.

DICAS DE RELACIONAMENTO

  • Empatia – A empatia é algo que deve ser implementado em todas as relações.
  • Diferenças – Todos nós somos diferentes.
  • Autoconhecimento – Como você deseja ter um bom relacionamento interpessoal se não se conhece bem?
  • Abordagem – Uma boa abordagem é ponto crucial em qualquer conversa.
  • Fale sobre si – Em um bom relacionamento interpessoal, você precisa saber como falar de si mesmo.
  • Ouça o outro – Comunicação é uma via de mão dupla.

Envelhecer com qualidade de vida é um desafio cercado de muitas dificuldades. O envelhecimento da população influencia o consumo, a transferência de capital e propriedades, impostos, pensões, o mercado de trabalho, a saúde e assistência médica, a composição e organização da família. É um processo normal, inevitável, irreversível e não uma doença. Portanto, não deve ser tratado apenas com soluções médicas, mas também por intervenções sociais, econômicas e ambientais. A capacidade de interagir socialmente é fundamental para o idoso, tendo em vista sua necessidade de conquistar e manter as redes de apoio social e garantir maior qualidade de vida. Dados da literatura propõem que o apoio e a rede de relações sociais na velhice, quer sejam com o cônjuge, familiares e/ou principalmente com amigos da mesma geração, favorecem o bem-estar psicológico e social dos idosos.

Alterações relacionadas à idade: preocupação com o envelhecimento: sensação de desconforto, ansiedade e medos; educação, padrão de vida, a vitalidade física mental e emocional, o  papel da família como fonte de apoio. São ações que determinam qualidade de vida no envelhecimento. 

O envelhecimento causa várias mudanças fisiológicas que fragiliza os organismos e para postergar é necessário que o idoso tenha um melhor controle sobre sua saúde.

A família ainda é um porto seguro em geral, onde as pessoas se ajudam mutuamente. E para se falar sobre o papel sócio familiar é relevante pensar na infância, onde somos educados, aprendemos com as palavras, mas principalmente pelos exemplos, pelas ações, pelos comportamentos. É no lar que se espera aprender amar e respeitar, é na ligação emocional que se fortalecem os vínculos e as parcerias, tão necessárias na velhice. Quando os idosos sentem-se importantes na família, isso pode facilitar o relacionamento, visto que podem ficar mais dispostos em se envolver nas atividades familiares, serem mais afetuosos e bem humorados, principalmente com os netos, que geralmente trazem alegria e possibilidades de o idoso passar conhecimentos e se relacionar com eles. Se aprendermos a ser solidários e pacientes, por exemplo, isso facilitará quando alguém precisar de nós e também quando nós necessitarmos dos cuidados de outra pessoa. Quando o idoso precisa conviver com a família no mesmo espaço residencial, geralmente surgem conflitos, além de toda a dificuldade de adaptação que a família precisa fazer nos hábitos, quando existe a presença de um idoso, pioram os conflitos quando a dinâmica familiar já era conflituosa.

Similar Posts

%d bloggers like this: