Que seja eterno enquanto dure

author
2 minutes, 56 seconds Read

Amanhece o dia e o cansaço já está presente, os olhos se esforçam para ficar abertos e parecem cheios de areia. No espelho é possível notar os cabelos despenteados e olheiras profundas, o corpo está pesado e os braços dormentes, cansados e enfraquecidos. Após duas ou três piscadas um choro invade aquele instante de silêncio e te desperta para a realidade, você é mãe, a madrugada foi entre o sono e a vigília, o choro e a mamada. No dia seguinte não há a mínima possibilidade de recuperar o sono perdido, existe uma família que precisa de cuidados, almoço para fazer, casa para arrumar e a rotina da madrugada que se repete durante o dia. Nos próximos meses este será o desafio da mãe, cuidar de tudo e de todos em período integral. Muitas mulheres trabalham fora e agregam mais funções, mesmo tendo alguém que a ajude com as crianças e a casa, a jornada dupla ou tripla de trabalho consome uma energia improvável para o organismo humano.

O estresse é inevitável e a exaustão física e mental comum entre mães com múltiplas funções. O desejo é que os filhos cresçam para poder descansar, tomar banho, desembaraçar os cabelos, almoçar, dormir, mas assim que as fases passam e as crianças crescem, a saudade da fase anterior começa e as frases das mães mais experientes fazem sentido: “Aproveita, pois passa rápido”, “Você vai sentir saudades disso”, “É tão bom, pena que eles crescem”.

Esta é a verdade absoluta sobre todos os sacrifícios maternos, quando o filho começa andar, vem à saudade de quando se sentou sozinho, quando forma frases e conversa, a saudade é de quando balbuciou a primeira palavra, no primeiro dia de aula, ao acenar, se despedindo, muitas vezes quem chora é a mãe, que se lembra de quando ele era bebê e sua felicidade se resumia em estar em seu colo.

As emoções sentidas serão lembradas a cada passo que o filho der em direção ao futuro e então quando se lembrar das dificuldades em acordar duas, três ou dezoito vezes por noite para amamentar, sentirá um profundo vazio e terá a nítida sensação de que passou rápido demais. Portanto, mesmo que seja sacrificante quando seu filho precisar de sua atenção cumpra seu papel de mãe, com todo carinho e intensidade possível, pois um dia ele não precisará mais de sua ajuda para tomar banho, fazer lição de casa, amarrar os sapatos, pegar um copo de água, passar o fio dental, ler uma história antes de dormir, explicar de onde vêm os bebês. Quando esse dia chegar sentirá que seu papel foi cumprido e mesmo com o coração apertado, estará feliz por ter vivido cada momento com ele.

Deixar que façam o seu papel de mãe pode ser uma opção ou uma imposição das necessidades de sua vida, caso isso ocorra, infelizmente não terá lembranças inesquecíveis de momentos com seu filho, por isso, se puder, viva as oportunidades que surgirem e então terá seu coração preenchido de amor e saudades de um tempo que não voltará mais. Ser mãe é ver o tempo passar voando e desejar que cada momento seja único e eterno enquanto dure.

Uma linda semana a todos!

Similar Posts

%d bloggers like this: