Junte-se a mais de 5000 leitores inteligentes e receba a Edição Diária do Jornal Folha Regional no seu e-mail (é grátis)

Respeitamos sua privacidade. Você está 100% seguro! Após enviar, você precisará confirmar no seu e-mail a assinatura.

Destaques

Agência Transfusional: garantindo a vida para quem precisa

Foto: Assessoria de Comunicação

Santa Casa possui a unidade, que funciona 24 horas, atendendo a demanda transfusional do Hospital e de mais três instituições da região

Vonei Antônio Marcato, de 53 anos, inclui na sua rotina a Santa Casa de Votuporanga há 15 anos. Mensalmente, o paciente de Votuporanga se dirige até a Agência Transfusional do Hospital para fazer exames e receber transfusões de sangue.

Ele possui beta-talassemia (produção anômala de hemoglobina, responsável pelo transporte de oxigênio para todos os tecidos do organismo) e precisa de bolsas do tipo A negativo para sobreviver. Sua vida depende da Agência e, principalmente, do ato solidário de outras pessoas que doam sangue. “Eu utilizo em torno de duas bolsas a cada 30, 40 dias. É recomendada transfusão a cada 10 dias, mas está mais difícil encontrar sangue compatível. Criei anticorpos que rejeitam, então é mais complicado o procedimento”, contou Vonei, com toda experiência adquirida com os 50 anos de tratamento.

O funcionário público faz um apelo. “Quanto mais doadores, mais chances. A transfusão não só me mantém vivo, mas oferece qualidade de vida. Quando não faço o procedimento, fico com anemia, inchaço, problemas respiratórios e dor de cabeça. Perdi um irmão porque não procurou ajuda”, disse.

Rosimeira do Espírito Santo Caetano, de 36 anos, também tem gratidão ao serviço. Diagnosticada com anemia falciforme, ela faz transfusão no Pronto Socorro da Santa Casa a cada três meses. A faxineira recebe sangue O positivo. “Eu sei o quanto é fundamental a doação, salva vidas”, afirmou.

A Agência Transfusional atende Vonei, Rosimeira e mais centenas de pacientes, representando a esperança de pessoas em condições delicadas de saúde. Vinculada ao Hemocentro de Ribeirão Preto, realiza, em média, 450 transfusões de sangue por mês, assistindo a demanda do Hospital, da Casa de Saúde de Votuporanga, de Cardoso e de Riolândia.

Somente neste ano, foram 3.083 procedimentos transfusionais até setembro. “Temos recebido maior demanda de pessoas em tratamento oncológico em nosso Hospital. Elas perdem, temporariamente, a capacidade de produzir as células do sangue, devido aos tratamentos ou pela própria doença. A transfusão supre essa redução, até esta capacidade do corpo se recuperar”, explicou a hematologista e hemoterapeuta, Dra. Ilmeida Helena Tonini de Oliveira, responsável pela Agência. 

Além destes pacientes, o serviço atende, em sua maioria, vítimas de traumas, procedimentos cirúrgicos e em tratamento dialítico.

Como começou

Garantir a agilidade nos momentos de extrema urgência dos pacientes. Este foi o objetivo da Santa Casa com sua própria Agência Transfusional, uma unidade hemoterápica que tem como função armazenar sangue e seus derivados, realizar examespré-transfusionais e liberar e transportar o sangue dentro do Hospital.

As atividades tiveram início desde a fundação do Hospital e passaram por reestruturação. “Havia antigamente era uma parceria com o Hemocentro de Ribeirão Preto. Depois, tivemos projeto com o Hospital de Base e agora novamente com o Hemocentro de Ribeirão Preto”, contou a dra Ilmeida.

A Agência Transfusional é um serviço de grande importância. “A Instituição precisa de um serviço hemoterápico, garantindo a agilidade nos momentos de extrema urgência, monitoramento adequado do paciente durante e após o ato transfusional, controle de qualidade rigoroso de exames imunohematologicos, além de gerar maior credibilidade para o Hospital”, complementou.

A equipe é composta por uma médica, uma biomédica, uma auxiliar administrativa, uma auxiliar técnica e seis técnicos de enfermagem. “Trabalhamos 24 horas por dia, em revezamento nos períodos de manhã, tarde e noite”, explicou a biomédica Chayene Roberta Barbin.

Caminho do sangue

Para que toda esta assistência seja efetiva, são fundamentais doadores de sangue. Em Votuporanga, há Unidade de Coleta de Sangue da Prefeitura em parceria com Santa Casa e Hemonúcleo de Ribeirão Preto.

Interessados podem agendar os horários para terças-feiras, das 15h às 18h ou quintas-feiras, das 8h às 11h. No primeiro sábado de cada mês, o espaço fica aberto das 8h às 11 horas. Funciona na rua Antônio Galera Lopes esquina com a Antônio Serafim de Queiroz, na Zona Norte. Para doar é necessário apresentar documento com foto, emitido por órgão oficial e válido em todo território nacional.   

Chayene explicou que, uma vez colhido sangue, a bolsa é encaminhada para Fernandópolis. “São realizados alguns exames naquela cidade e outros em Ribeirão Preto, específicos de sorologia – testes de HIV, Sífilis, Hepatites B e C, HTLV I e II, Doença de Chagas. Após o resultado, o Hemonúcleo de Fernandópolis libera o estoque, de acordo com a necessidade”, afirmou.

A doação de sangue é insubstituível, vital para organismo. “O sangue humano não pode ser fabricado artificialmente, por isso a transfusão é a única esperança de vida para nossos pacientes. Contamos com apoio de todos para garantir com que mais pessoas sejam salvas”, complementou.

O provedor da Santa Casa, Luiz Fernando Góes Liévana, ressaltou a atuação da Agência Transfusional. “Temos o privilégio de ter um serviço tão eficiente e que já atendeu mais de 15 mil vidas ao longo dos anos. Sem a Agência, os profissionais teriam que buscar sangue em outras cidades, prejudicando o atendimento dos pacientes. O Hospital garantiu agilidade e mais eficiência em ter um setor interno”, finalizou.

Deixe seu comentário