Consumidores devem gastar, em média, R$ 1.132 na Black Friday | Folha Regional
Connect with us

Finanças

Consumidores devem gastar, em média, R$ 1.132 na Black Friday

Brasileiros pretendem comprar até três produtos na 10ª edição do evento, que acontece nesta sexta-feira (29)

O gasto médio dos consumidores na Black Friday deve ser de R$ 1.132, segundo pesquisa divulgada nesta segunda-feira (25) pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) e SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito). 

Os brasileiros devem comprar, em média, três produtos — os preferidos são roupas, eletrodomésticos, calçados e celulares. As lojas online são as preferidas dos consumidores, seguidas de lojas físicas, shopping centers, as lojas de rua e de bairros e os supermercados.

A Black Friday está na 10ª edição e acontece nesta sexta-feira (29). Os dados da pesquisa mostram que 39% dos brasileiros só pretendem comprar produtos com ofertas que realmente valham a pena — o percentual é maior do que o registrado em 2018. 

PUBLICIDADE

Metade dos brasileiros pretendem fazer compras na data e 11% não devem comprar nada. Os principais motivos para não comprar são falta de dinheiro, prioridade em pagar dívidas e falta de necessidade de comprar algum produto. 

A pesquisa mostra que nove em cada dez planejam pesquisar os preços antes de realizar a compra. A pesquisa será realizada por sites e aplicativos, sites de lojas e portais de busca. 

Metodologia da pesquisa

O SPC Brasil entrevistou 1.230 consumidores de ambos os sexos, acima de 18 anos e de todas as classes sociais nas 27 capitais brasileiras para identificar o percentual de pessoas que pretendem comprar na Black Friday.

Em um segundo momento, a partir de uma amostra de 624 casos, foi investigado de forma detalhada o comportamento do consumo, gerando um intervalo de confiança de 95%.

Por Giuliana Saringer, do R7

PUBLICIDADE

Deixe seu comentário

PUBLICIDADE

Publicidade

Finanças

Black Friday sem fraude: como aproveitar e não ser enganado

Procon divulga lista de sites não confiáveis. Confira dicas para aproveitar a temporada de descontos sem ser lesado 

Todos os anos, consumidores brasileiros aguardam ansiosamente a chegada de novembro. O motivo é a Black Friday, temporada de super descontos no comércio eletrônico que é tradição nos Estados Unidos e chegou no Brasil apenas em 2010. Para se ter ideia da importância da data, a Black Friday do ano passado movimentou mais de R$ 2,6 bilhões em vendas, um crescimento de 23% em relação a 2017.

De acordo com estudo da IAB Brasil (Interactive Advertising Bureau), este resultado é reflexo do aumento da atenção do brasileiro em relação à data. A expectativa desse ano, segundo a Associação Brasileira de Lojistas de Shoppings (Alshop), é crescer 18% o volume das vendas, um faturamento superior a 3 bilhões de reais. Mas para o consumidor não se frustrar e comprar produtos na Black Friday com “falsos descontos”, é necessário pesquisar e se planejar. 

A Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor de São Paulo (Procon-SP) divulgou um ranking com mais de 400 sites de compras reprovados pelos consumidores. Para quem pretende aproveitar os descontos e fazer bons negócios no dia 29 de novembro, é importante prestar atenção na lista. Das 419 empresas registradas no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) ou Cadastro de Pessoas Físicas (CPF), mais de 250 estão com o endereço eletrônico fora do ar.

PUBLICIDADE

Queixas de mudança de preço ao finalizar a compra é uma das reclamações mais recorrentes. Outra reclamação muito comum é o produto ou o serviço oferecido não estar mais disponíveis no estoque da loja virtual. “Não desestímulo as pessoas a fazerem suas compras na internet. A Black Friday pode ser sim uma boa oportunidade, tem bastante empresa séria. Mas o consumidor precisa estar sempre atento e preparado para aproveitar a época de ofertas e não ter surpresas desagradáveis”, diz Rodrigo Tritapepe, diretor de atendimento e orientação do Procon-SP.  Confira outras dicas para não se prejudicar ao adquirir produtos na Black Friday.

Compra consciente

“Quero? Posso pagar? Tem alguma empresa que confio?” Rodrigo Tritapepe, do Procon-SP, define esses três passos como o “arroz com feijão” para efetuar uma compra consciente na Black Friday. “Pedimos muito para as pessoas não realizarem compras no impulso, na emoção, porque a oferta às vezes realmente é tentadora”, diz. “Já vimos casos de pessoas que estão comprando uma TV de 70 polegadas e ganhava a de 43 polegadas por 100 reais, mas essa pessoa morava num apartamento de 50 metros quadrados. Aonde você vai colocar uma TV de 70 e uma de 43? Portanto, primeiro, avalie se realmente você tem necessidade de adquirir aquele bem. Segundo, se você tiver certeza que quer e que precisa daquilo, é necessário ver se cabe no seu bolso”. O diretor do Procon ressalta também sobre o risco das famosas “parcelinhas”. “A pessoa olha o boleto e acha que é possível pagar, por exemplo, 150 reais por mês, mas esquece das outras compras parceladas que já tem no cartão de crédito ou no boleto e aí o vêm os gastos de começo de ano, como IPVA, IPTU, matrícula escolar e assim a pessoa entra em dívida”. 

Reputação dos sites e monitoramento de preços

“Tem alguma empresa de sua confiança? Você já comprou em algum site? Já teve um relacionamento positivo com determinada loja?” Segundo o diretor do Procon, essas são perguntas fundamentais que o consumidor deve se fazer antes de escolher a empresa que irá realizar uma compra. “Veja a reputação dessa empresa, verifique se no ranking do Procon ela não está reclamada, ali é possível enxergar o comportamento das empresas e perceber o volume de reclamações que elas ocasionaram no último ano”, diz.

O próximo passo é monitorar a evolução do preço. “Recomendamos olhar os sites todos os dias três meses antes da Black Friday, para quando chegar no dia 29 de novembro você ter certeza de que se trata de uma oferta real e que você não está caindo na Black Fraude, que é a maquiagem do preço, quando as lojas inflam o valor das mercadorias 60 dias antes do evento e depois voltam para o preço comum”, explica Tritapepe.

Outra dica válida nesse ponto é utilizar ferramentas virtuais e sites que fazem comparação de preço e avaliam também a oscilação daquele produto nos últimos meses. 

Principais motivos de reclamações

Além da maquiagem dos preços, outra ocorrência comum no comércio eletrônico é a não entrega das mercadorias ou a entrega com um prazo muito extenso. “Muitas pessoas querem aproveitar a Black Friday para fazer as compras de Natal, mas esquecem de observar o prazo de entrega e recebe o produto em março”, diz o diretor do Procon. “Na hora da compra fique muito atento: escolheu o produto, o preço cabe no bolso, confia na loja, então vai lá e veja quando a entrega será feita”. Segundo Tritapepe, até mesmo as grandes lojas e marcas cometem esse erro.

PUBLICIDADE

Divergência do valor ofertado com o valor que foi cobrado também é prática recorrente. Outro ponto importante é observar o valor do frete, muitas vezes ele é mais caro que a mercadoria. “Às vezes a pessoa vai no impulso de comprar, na euforia, e simplesmente ignora fatores importantes e depois acaba tendo problema”.

Trocas e garantias também precisam ser observados e também pagamentos realizados por boleto, já que o volume de fraudes tem aumentado consideravelmente. “É necessário  verificar se o código do banco está correto, se o valor também está certo, se o beneficiário do boleto é pessoa jurídica, checar se aparece um CNPJ e não um CPF”.

Por fim, é importante ficar atento a qual tipo de produto realmente está em promoção, afinal, não são necessariamente todas as mercadorias de um site ou de uma loja física que estão com descontos na Black Friday. “Precisa ter um indicativo bem evidente que aquele produto está em promoção”, diz Tritapepe. 

O que fazer se sentir lesado ao comprar produtos na Black Friday?

É possível acionar o Procon pelo aplicativo ou pelo site. Na primeira tela o usuário já encontra o tópico “Faça sua Reclamação”. Assim que o consumidor registra seu problema, o fornecedor recebe em menos de 24 horas no sistema dele a informação de que ele foi acionado e tem até 10 dias para responder a solicitação do cliente. Depois, o consumidor tem 7 dias para dizer se foi atendido ou não. Se disser que não foi atendido, o Procon abre uma reclamação e inicia um processo administrativo no qual realiza uma audiência ou notifica a empresa para que ela resolva de uma forma conclusiva a questão.

Ao final, se o caso não for resolvido o Procon pode encaminhar a empresa para a fiscalização que, apurando uma conduta lesiva ou abusiva, pode gerar uma multa para a empresa. O serviço é gratuito e para a Black Friday o aplicativo irá contar com uma bandeira direta para que o processo seja mais efetivo. Além disso, o Procon fará um esquema de plantão na madrugada de 28 para 29 de novembro para acompanhar online e ao vivo o comportamento das empresas e do mercado.

A boa notícia, segundo o diretor do Procon, é que as empresas perceberam que não vale a pena apostar na Black Fraude. “A política das empresas demonstram-se cada dia mais sérias no sentido de evitar constrangimentos, elas querem que o consumidor que reclamou volte a ser seu cliente, então normalmente a resolvem o problema rapidamente”, diz. 

Informações | Creditas| Exponencial

Deixe seu comentário

PUBLICIDADE

Continue Lendo

Finanças

5 bons cartões de crédito sem consulta ao SPC, Serasa e Boa Vista

Conheça 5 bons cartões de crédito sem consulta ao SPC e Serasa. Nos dias de hoje, é muito difícil viver sem um cartão de crédito. Muitos dos nossos serviços e produtos favoritos exigem um cartão para pagamento, e quem não tem, acaba tendo dificuldades. Além disso, um dos maiores motivos que impedem uma pessoa de ser aprovado em um cartão é o CPF sujo. Mas você sabia que existem algumas instituições financeiras possibilitam cartão de crédito consignado para negativado?

Você pode estar se perguntando: Mas quem vai dar um cartão de crédito para quem está com o CPF sujo? Qual a garantia que esta pessoa vai pagar as faturas? Pois bem, esses cartões funcionam de forma consignada, ou seja, o valor da fatura vem descontado diretamente na folha de pagamento do usuário. Esta é a garantia que você vai dar à instituição financeira: O seu próprio salário.

Qual a diferença entre cartão de crédito consignado e empréstimo consignado?

  • Cartão de Crédito Consignado é um cartão que você pode usar para pagar por produtos e serviços, comprados na loja física ou na internet. Você pode parcelar esses produtos e serviços em várias vezes, e paga um pouco a cada mês. Esse cartão tem um limite, determinado pela sua renda, e você deve ter cuidado com esse limite. Quando ele for atingido, você só poderá usar seu cartão novamente após pagar a fatura, o que diminuirá a dívida total do cartão. Além disso, você poderá fazer saques em dinheiro, que serão descontados da própria fatura do cartão.
  • Empréstimo Consignado é um empréstimo normal, ou seja, você pega o valor desejado inteiro e em dinheiro (depositado na sua conta corrente), e paga esse valor de forma parcelada, com parcelas fixas por um prazo determinado, acrescidas de juros.

Existe cartão de crédito sem consulta ao SPC ou Serasa?

Sim, existe. Mas como falamos anteriormente, é necessário alguma garantia de que o cliente vai pagar sua dívida, e no caso de estar com o CPF sujo, essa garantia é seu próprio salário. Mas, e se você for demitido, como fica? Pois então, este tipo de cartão normalmente é dado aos servidores públicos, aposentados e pensionistas do INSS, que são pessoas que não podem ser demitidas. Mas alguns bancos também oferecem à funcionários do setor privado, e neste artigo você vai saber mais sobre como fazer.

PUBLICIDADE

Quem pode fazer um cartão de crédito consignado?

  • Aposentados e pensionistas do INSS;
  • Servidor Público Federal, Estadual ou Municipal;
  • Militar do Exército, Marinha ou Aeronáutica;
  • Funcionário de empresas privadas conveniadas ao Banco Bradesco;

Conheça 5 bons cartões de crédito sem consulta ao SPC, Serasa e Boa Vista

Logo abaixo você poderá conferir então 5 bons cartões de crédito sem consulta ao SPC e Serasa, vamos lá?

Cartão consignado do Banco Bradesco

Esse cartão é o único da lista que pode ser solicitado por funcionários de empresas privadas, e por isso eu o coloquei no topo da lista. O melhor de tudo é que este cartão não tem anuidade. Claro que os servidores públicos e beneficiários do INSS também podem ter este cartão, mas o seu diferencial mesmo é que o funcionário de empresa privada, cuja empresa tem um relacionamento com o Banco Bradesco, pode conseguir também, mesmo com o CPF sujo.

Como solicitar o cartão de crédito consignado para negativado Bradesco?

Para solicitar o cartão, é necessário ter pelo menos 18 anos, sendo que pensionistas do INSS devem ter completado 21 anos. Além disso, é necessário ter uma renda de pelo menos um salário mínimo vigente, e você vai precisar de uma cópia do seu RG, CPF e um comprovante de residência.

Para maiores informações sobre o cartão de crédito consignado para negativado do Bradesco, você pode acessar a página do banco ou entrar em contato com o Fone Fácil Bradesco:

  • 4002 0022 (capitais e regiões metropolitanas)
  • 0800 570 0022 (demais localidades)

Cartão consignado Banco Inter

O Banco Inter é um dos queridinhos dos brasileiros devido suas facilidades e a anuidade grátis do cartão de crédito, que é internacional. A modalidade do cartão de crédito consignado para negativado é voltado para aposentados e pensionistas, e servidores públicos municipais, estaduais e federais, com desconto em folha do valor mínimo, que pode variar de 5 a 10% do limite do cartão. O restante da fatura você paga normal, como em qualquer outro cartão de crédito. O Banco Inter oferece taxas de juros bem abaixo da maioria dos outros bancos, além de condições de pagamento especiais.

Como solicitar o cartão de crédito consignado para negativado Banco Inter?

Para fazer a contratação do cartão consignado do Banco Inter, basta ligar para o atendimento do Banco, disponível 24hs por dia, e solicitar a avaliação do cartão consignado.

PUBLICIDADE

Quando ligar, tenha em mãos o seu RG/CNH e CPF, número do celular, número de benefício/matrícula, valor do benefício/salário, contracheque e comprovante de endereço (com data de emissão máxima de 3 meses).

Após a análise, a validação do convênio será liberada. Então você deverá acessar a página do banco para fazer o seu cartão de crédito consignado para negativado do Banco Inter.

  • 3003 4070 (opção 5)

BMG Card

Mais um cartão internacional e sem anuidade na nossa lista é o BGM Card, ideal para servidores públicos, aposentados e pensionistas que estão negativados, mas que querem ou precisam ter um cartão de crédito.

Com baixas taxas de juros, o BMG Card é internacional, fácil e sem burocracia. Além disso, os clientes que aderirem a um programa especial concorrem a sorteios de prêmios em dinheiro de até R$ 2.000,00 todo mês. Por exemplo, o cartão BMG conta com um programa de pontos muito atrativo, que é o Programa Mastercard Surpreenda. Em outras palavras, ao fazer compras no seu cartão de crédito, você ganha pontos que podem ser trocados por produtos e serviços exclusivos.

Como solicitar o cartão de crédito consignado BMG Card?

Se você se interessou e cumpre todos os requisitos, pode fazer a solicitação do seu BMG Card pelo site do Banco BMG ou consultar informações por telefone.

  • 40027007 (ligações de celular)
  • 08007701790 (ligações de tel. fixo)

Cartão Banco Pan

O cartão de crédito sem consulta ao SPC e Serasa do Banco Pan é voltado para beneficiários do INSS e alguns servidores, que você pode conferir na lista abaixo:

  • INSS;
  • SIAPE;
  • Governo de São Paulo;
  • PMESP;
  • SPPREV;
  • Governo de Santa Catarina;
  • Governo da Paraíba;
  • Assembleia Legislativa de Rondônia;
  • Tribunal da Justiça da Bahia; e
  • Prefeitura de Recife;

Este cartão tem uma das melhores taxas de juros do mercado, além de dar aos seus clientes muitas vantagens e benefícios. Assim como os outros cartões que citamos na lista, ele é sem anuidade e internacional. Mas o que mais chama a atenção é o ótimo limite de crédito dado pelo Banco Pan aos clientes do cartão consignado, que pode chegar a ser o dobro do salário ou benefício. Mas para isso, você deve ser um bom pagador, quitando suas faturas sempre em dia e usando o limite do cartão.

Em conclusão, se você se enquadra nos requisitos para ser um cliente do cartão de crédito consignado para negativado do Banco Pan e deseja solicitar um cartão, deve acessar a pagina do Banco Pan. Antes de mais nada, tenha em mãos o seu RG e CPF, comprovante de residência e comprovante de renda ao acessar o site.

Cartão Caixa Simples

Muitos aposentados, pensionistas e funcionários públicos recebem os seus salários ou benefícios pela Caixa Econômica Federal, e por isso esta pode ser uma boa opção para você. Se é seu caso, vale a pena dar uma olhada, já que você já tem um relacionamento com o banco, e portanto, pode ter um bom score interno, mesmo estando com o CPF sujo. Além disso, o cartão de crédito consignado para CPF sujo Caixa Simples tem taxas de juros até 3 vezes mais baixas que os cartões convencionais, e até mesmo crédito rotativo. Mas atenção: É necessário ter menos de 75 anos para solicitar este cartão. Confira os benefícios exclusivos do Caixa Simples abaixo:

  • Check-up Lar: A Caixa disponibiliza um profissional especializado para fazer pequenos reparos na sua casa, sendo possível acionar o serviço até três vezes ao ano.
  • Clube Elo Mania Caixa: Diversos produtos e serviços com desconto para clientes do Caixa Simples.

Como solicitar o cartão de crédito da Caixa?

Para pedir um Cartão de Crédito Caixa Simples, você pode acessar a página da Caixa ou na Central de Atendimento Cartões Caixa:

  • 4004-9009 (capitais e regiões metropolitanas)
  • 0800 940 9009 (interior do estado)

Em suma, esses são bons cartões de crédito sem consulta ao SPC e Serasa, sendo que a maioria das opções de  para negativados é voltada para beneficiários do INSS e trabalhadores do setor público. Entretanto, se sua empresa for conveniada ao Banco Bradesco, você pode solicitar mesmo estando com o CPF sujo.

Informações| Seu crédito digital

Deixe seu comentário

PUBLICIDADE

Continue Lendo

Finanças

1ª parcela do 13º salário deve ser paga até dia 29; tire 10 dúvidas

Pela lei, a primeira parcela deve ser paga até o dia 30, mas como esse ano o dia 30 cai num sábado, o empregador deve pagar até a sexta-feira (29)

A primeira parcela da gratificação natalina, ou 13º salário, deve ser paga até o dia 30. Como esse ano o dia 30 cai em um sábado, o pagamento deve ser deve ser feito até a sexta-feira (29), explica a advogada especializada em Direito do Trabalho Adriana Calvo, autora do Manual de Direito do Trabalho.

“O empregador tem o direito de pagar a primeira parcela em qualquer mês, desde que respeite o prazo fatal do dia 30 de novembro”, explica.

Já a segunda parcela, na qual incidem os descontos de INSS e IR, deve ser paga até o dia 20 de dezembro.

A primeira parcela só não será paga a quem já recebeu a metade durante as férias, mas terá direito à segunda parte.

Saiba mais sobre esse direito:

Quem tem direito?

  • Trabalhadores com carteira assinada
  • Trabalhadores rurais
  • Empregados domésticos
  • Funcionários públicos
  • Aposentados e pensionistas

Quem não tem carteira assinada não tem direito.

PUBLICIDADE

Como é calculado?

Cada mês trabalhado (ou mais de 15 dias num mês) dá direito a 1/12 da remuneração. A remuneração inclui todos os valores recebidos pelo empregado, como horas extras e adicional noturno, e não apenas o salário.

Quem entrou na empresa em março, por exemplo, recebe 10/12 do valor. Se entrar no dia 14 de dezembro, recebe 1/12. Mas se trabalhar menos de 15 dias apenas em dezembro não recebe nada.

O valor é calculado dividindo a remuneração por 12 e multiplicando esse resultado pelo número de meses trabalhados.

Exemplo: remuneração de R$ 1.000 dividida por 12 = R$ 83,33.

Se trabalhou o ano inteiro, recebe R$ 1.000 (12 x 83,33)
Se trabalhou 10 meses, recebe R$ 833,30 (10 x 83,33)
Se trabalhou um mês (ou mais de 15 dias num mês), recebe R$ 83,33 (1 x 83,33)

E se não receber ou receber com atraso?

Poderá fazer uma denúncia ao sindicato da categoria, ao Ministério do Trabalho ou, se todos os empregados da empresa não receberam, poderá fazer uma denúncia coletiva ao Ministério Público do Trabalho (o Ministério Público do Trabalho não recebe denúncias individuais, apenas coletivas).

Para receber o dinheiro o trabalhador precisará entrar com uma ação na Justiça.

E quem não tem salário fixo?

Como é calculado o 13º salário de quem não tem salário fixo, que recebe gorjetas comissões, adicional noturno e horas extras?

O 13º salário não é calculado em cima do salário, mas da remuneração, e tudo isso constitui remuneração.

Nesse caso, explica Adriana Calvo, o 13º é calculado pela média da remuneração dos últimos 12 meses.

PUBLICIDADE

E se o empregado for mandado embora por justa causa?

Se o empregado for demitido por justa causa, ele tem direito ao 13º salário?
Não. Se o empregado for mandado embora por justa causa, tem direito apenas ao saldo salarial e férias vencidas.

Já os empregados que forem demitidos sem justa causa ou pedirem demissão terão direito ao recebimento do 13º proporcional.

Trabalhador temporário tem direito?

Quem é contratado sob contrato de experiência ou trabalho temporário tem direito, mas só se trabalhar por mais de 15 dias.

Mãe que está fora em licença-maternidade recebe?

Sim. E o tempo que estiver em licença-maternidade será contabilizado como mês trabalhado para o recebimento do próximo 13º e férias.

Diarista tem direito?

Não, pois as diaristas são trabalhadoras autônomas. Mas as empregadas domésticos com registro em carteira têm.

Estagiário tem direito?

Não, pois a lei do estágio não dá a esse profissional os mesmos direitos que para os trabalhadores contratados pelo regime da CLT.

Aposentado que trabalha pode receber dois 13º?

Sim, recebe um do INSS e outro do empregador.

Conte pra gente

Como você pretende usar seu 13° salário?
 
 
 
Fonte: R7

Deixe seu comentário

PUBLICIDADE

Continue Lendo

POPULARES